Início Estratégias de Marketing Conversão no e-commerce: 8 hacks para melhorar a sua taxa

Conversão no e-commerce: 8 hacks para melhorar a sua taxa

aumentar-conversao-no-ecommerce

A conversão no e-commerce é uma maneira de medir a efetividade das estratégias cujo objetivo é levar o consumidor a uma ação. A principal delas é a compra, mas também podem entrar nesse cálculo outras metas, como clicar no anúncio de um produto, utilizar um cupom de desconto, adicionar mais um item ao carrinho, etc.

Aumentar a taxa de conversão no e-commerce é uma estratégia que, quando bem aplicada, tende a gerar mais resultados positivos sem a necessidade de novos investimentos.

Essa taxa é uma métrica que ajuda você a entender se está havendo o retorno esperado do investimento de tempo e dinheiro na sua loja. Assim, ela mostra os efeitos do marketing digital — por exemplo, se o cliente está se engajando na ação conforme você planejou.

Há várias maneiras de fazer esse cálculo, dependendo do que está sendo analisado. Um exemplo simples para ilustrar isso é verificar quantos visitantes de uma página de produto de fato converteram em vendas.

Assim, se 1000 pessoas acessaram esse endereço e 10 delas compraram o item, a taxa de conversão é de: 10 / 1000, ou seja, 0,01 ou 1%.

A partir desses números, o objetivo é criar alternativas para aumentar a eficácia desses resultados. Continue a leitura e veja 8 hacks que podem ajudar você a conquistar essa melhoria!

 

Hacks para aumentar a taxa de conversão no e-commerce

Checkout concluído, aumento da abertura de e-mails na newsletter e uso de um código promocional enviado por SMS. Tudo o que faz o usuário adotar a ação desejada por você pode ser considerado aumento da conversão.

Em um e-commerce, toda estratégia adotada tem como objetivo principal encaminhar o consumidor para fazer uma compra. Ainda que, no meio desse grande objetivo, haja outros secundários, passo a passo, eles conduzirão o cliente ao resultado desejado.

A seguir, veja quais ações podem ajudar você nisso.

1. Tenha um bom layout

O design do site precisa ser simples, agradável, intuitivo e responsivo:

  • simplicidade: por dar maior clareza ao usuário e ajudá-lo a encontrar o que quer;
  • agradabilidade: para não cansá-lo. Assim, formas, cores, posições e espaçamentos precisam ser estudados;
  • intuição: por gerar usabilidade e boa experiência, atendendo às suas expectativas quanto aos locais para onde cada clique no botão o levará;
  • responsividade: por poder ser acessado também em tablets e smartphones.

2. Coloque uma barra de pesquisa

De acordo com um levantamento, 83% das pessoas costumam abandonar sites que demandam muitos cliques para levar aonde a pessoa quer ir. Nem sempre o visitante terá paciência para conseguir entender em que lugar vai encontrar o que ele precisa.

Ele necessita de objetividade e rapidez, para saber se sua loja o atenderá. O campo de pesquisa, dessa forma, permite que ele insira o termo e saiba de forma ágil como sua marca pode resolver o seu problema. Tente deixar esse recurso em evidência.

3. Invista em boas fotos e boas descrições

Como o consumidor não está vendo o produto ao vivo e, consequentemente, não tem condições de examiná-lo minuciosamente, ele precisa se sentir seguro de que o item cumpre o que ele imagina. Outro ponto a se preocupar é o fato de ele comprar, não gostar da mercadoria e solicitar a devolução, o que poderá afetar seus resultados.

Assim, colocar descrição de produtos detalhada e fotos de qualidade, bem iluminadas, de vários ângulos e com possibilidade de zoom, pode contribuir para o aumento da confiança e colaborar para que a taxa de devolução diminua.

4. Abra espaço para depoimentos

Depoimentos são boas fontes de gatilhos mentais — técnicas psicológicas capazes de convencer alguém a tomar uma atitude.

Nessa situação, seria uma prova social de que outros clientes adquiriram o produto, não tiveram problemas com a compra e a mercadoria atendeu às expectativas. É um incentivo para o consumidor se sentir mais confiante e tomar a decisão de comprar.

5. Possibilite as preferências

Nem sempre o usuário comprará no exato instante em que visitar o seu e-commerce. Mas isso não significa que ele não vai adquirir o item futuramente.

Acontece que, no momento em que ele visualiza o produto, ele pode ainda não ter o valor em mãos, ou então, prefere esperar mais um pouco para ter a certeza de que fará uma boa escolha.

Ter a possibilidade de salvar os itens preferidos é uma maneira de evitar que ele se esqueça do que gostou e, assim, no momento oportuno, poder fechar a compra.

Nesse sentido, também é importante manter as informações de carrinho salvas por um determinado tempo, além de enviar lembretes ao cliente sobre os produtos pelos quais ele se interessou.

6. Coloque um checkout simples, seguro e claro

Pedir informações demasiadas e desnecessárias pode induzir o cliente a desistir da compra. Ele não vai querer perder muito tempo preenchendo um questionário que, no pensamento dele, não faz muito sentido.

Da mesma forma, um checkout que não demonstre segurança pode colaborar para a perda de vendas, pois o receio de ter os dados roubados e o cartão clonado pode ser maior que o desejo de comprar.

Assim, contar com sistemas antifraude e verificação das transações pode ajudar a resolver esse problema. Existem também selos de comprovação de site seguro que ajudam a transmitir mais confiança e credibilidade para seu cliente.

Quanto à clareza, é interessante que se ofereça duas informações: possibilidade de calcular o frete antes de adicionar o item na compra e facilidade com diversos modos de pagamento. Ambos podem diminuir o abandono de carrinho.

7. Dê incentivos para comprar

Se bem planejados, benefícios como frete grátis e cupons com desconto podem aumentar a conversão para a compra sem interferir de forma negativa os resultados.

Isso porque, inda que se tenha um gasto por parte do comerciante, se as vendas aumentarem, essas perdas podem ser compensadas.

Esses tipos de incentivos também podem servir como gatilhos mentais, que acenderão um alerta na mente do consumidor para não deixar a oportunidade passar.

8. Esteja próximo dos seus clientes

Crie um relacionamento com os seus consumidores. Saiba em quais redes sociais eles estão e crie um perfil do e-commerce. Interagir com eles chama a atenção para a sua marca, o que pode resultar em futuras vendas.

Nesse sentido, o marketing de conteúdo é uma estratégia que atrai o público e o leva à conversão.

Uma forma de você fazer isso é publicar textos interessantes e informativos, que despertem nos potenciais clientes o interesse pela solução que você vende e criem a vontade de continuar o relacionamento.

A boa relação com o consumidor também tende a gerar o sentimento de que ele é importante para a empresa, o que pode aumentar a fidelização.

infográfico-conversão-ecommerce-00

infográfico-conversão-ecommerce-01

infográfico-conversão-ecommerce-02

infográfico-conversão-ecommerce-03

infográfico-conversão-ecommerce-04

infográfico-conversão-ecommerce-05

infográfico-conversão-ecommerce-06

infográfico-conversão-ecommerce-07

Ao seguir essas dicas, será possível impactar positivamente os resultados obtidos. Não se esqueça de monitorar frequentemente cada estratégia aplicada, para saber se estão surtindo os efeitos desejados e aplicar melhorias contínuas.

*Artigo originalmente publicado em agosto de 2018 e atualizado em abril de 2019.

Baixe o case: migração
Livraria Florence
Saiba como a Florence teve um crescimento 126% no tráfego orgânico e de 85% na receita desse canal após a mudança de plataforma!

Quero ler o e-book agora!