Início Plataforma B2B Como escolher a melhor plataforma de e-commerce para seu negócio?

Como escolher a melhor plataforma de e-commerce para seu negócio?

como-escolher-a-melhor-plataforma-de-e-commerce

Escolher a melhor plataforma de e-commerce é um passo fundamental para se ter sucesso nas vendas online, sobretudo em operações mais robustas.

Diferentemente de pequenas iniciativas, que podem iniciar a comercialização de itens contando apenas com um site ou até mesmo diretamente em um marketplace (como os casos de vendas Consumer to Consumer no Mercado Livre, por exemplo), lojas virtuais de maior porte precisam de um complexo sistema por trás.

É ele o responsável pelo gerenciamento de pedidos, atualização automática de estoque e integração com as principais aplicações necessárias para o funcionamento do e-commerce.

Por isso, ao contar com uma boa plataforma, é possível automatizar ao máximo esse processo, evitando falhas e aumentando a satisfação do cliente.

Assim, um dos maiores equívocos de muitos lojistas é tentar economizar a todo custo na hora de escolher o sistema pelo qual vai viabilizar o seu comércio virtual.

O resultado é normalmente desastroso: site lento e sem otimização SEO, ausência de responsividade mobile, quedas durante períodos de picos de acessos, falhas e problemas durante as transações, etc.

Por isso, seja esse o seu primeiro e-commerce ou parte da decisão de uma necessária migração de ferramenta, escolher a melhor plataforma capaz de atender às necessidades do seu empreendimento e dos seus clientes é fundamental.

Navegue pelo conteúdo:

Principais tipos de plataformas

Hoje, existem diferentes tipos de opções disponíveis no mercado para realizar a operação de um e-commerce. Das plataformas gratuitas àquelas desenvolvidas pela própria empresa: cada uma dessas alternativas apresenta suas vantagens e desvantagens.

O segredo, portanto, é avaliar quais são as necessidades do seu comércio e qual dessas será capaz de atender melhor a essa demanda. Confira as principais:

Proprietária

Embora pouco comum, alguns lojistas escolhem desenvolver a sua própria plataforma de e-commerce.

Para isso, é preciso de um time técnico interno, responsável pela programação do ambiente virtual do comércio eletrônico, tanto nos aspectos do front-end (parte visível para o consumidor) quando do back-end (componente administrativo).

A grande vantagem dessa opção é o alto grau de personalização: o sistema será desenvolvido para atender exatamente às necessidades do empreendimento. Além disso, é possível ter grande controle da manutenção da ferramenta e do processo de atualização das funcionalidades.

Apesar desses benefícios, esse é um projeto complexo que demanda tempo, investimento e uma equipe interna altamente especializada no desenvolvimento desse tipo de aplicação. Ainda, questões como a escolha do servidor a ser utilizado e como garantir a estabilidade mesmo em momentos de picos de acessos também ficam por conta da empresa.

Assim, apesar da autonomia e liberdade oferecidas por essa alternativa, os seus altos gastos e a falta de um suporte externo e dedicado fazem com que essa seja uma opção pouco vantajosa para a maioria dos e-commerces.

Open source

As plataformas de e-commerce open source são muito usadas, sobretudo por lojas virtuais que estão no início de sua operação. A popularidade tem uma justificativa: elas são baseadas em um código aberto e gratuito, disponibilizado por programadores ao redor do mundo.

A inexistência de custo de aquisição faz com que esse sistema pareça bastante atrativo. Porém, é importante se lembrar que isso não significa que a empresa não terá gastos para sua implantação.

Embora a base para a solução seja disponibilizada publicamente, é preciso a intervenção de uma equipe especializada para customizar a plataforma de acordo com as necessidades do e-commerce. A hospedagem do sistema também fica por conta da empresa.

E é aí que mora o grande problema. Embora pareça mais barata a princípio, as despesas associadas à implementação e manutenção dessa ferramenta pode torná-la muito mais cara do que o esperado.

Além disso, dois fatores pesam contra essa escolha.

O primeiro está relacionado à segurança. Como os códigos são disponibilizados publicamente, há o risco de invasão por hackers, uma vez que eles podem conhecer a codificação utilizada a fundo.

O segundo diz respeito à ausência de suporte. Os desenvolvedores não se responsabilizam por possíveis problemas que possam ocorrer durante o uso do sistema e nem por lançar atualizações e mecanismos de solução de falhas e riscos de segurança. Tudo isso deve ficar por conta da equipe interna do e-commerce, elevando os custos de manutenção.

SaaS

As plataformas em SaaS se baseiam no conceito de Software as a Service.

Assim, o sistema da loja virtual é disponibilizado na nuvem, eliminando a necessidade de hospedagem das ferramentas administrativas. Além da facilidade de uso, esse aspecto normalmente garante mais estabilidade ao servidor.

Uma empresa especializada desenvolve uma solução customizável e a comercializa mediante o pagamento de mensalidade e uma taxa de participação nas vendas realizadas.

Por conta disso, essas plataformas costumam ser de alta performance e complexidade, oferecendo diversas possibilidades de integração e personalização, além de atualizações periódicas.

Entre os principais benefícios dessa alternativa estão o menor custo e tempo de implantação, uma vez que não será preciso desenvolver internamente a ferramenta do zero, a flexibilidade de customização e o suporte oferecido.

Assim, é possível transferir grande parte das responsabilidades técnicas para a empresa que oferece o serviço, além de contar com auxílio de uma equipe especializada para a resolução de problemas.

8 fatores para levar em consideração na hora da escolha

Agora que você já conhece quais são os principais tipos de plataforma de e-commerce, é importante levar em consideração algumas questões no momento da decisão. Destacamos as seguintes:

1. Custos totais

É nesse ponto que muitos lojistas acabam se equivocando, ao não levar em consideração todos os gastos envolvidos na implantação ou na migração de um e-commerce.

É muito comum contabilizar apenas o custo de aquisição ou desenvolvimento da plataforma, deixando de lado as despesas associadas à customização da ferramenta, manutenção durante a operação da loja virtual, suporte, além de recursos adicionais necessários para apoiar o seu funcionamento.

Por exemplo, embora os sistemas de e-commerce open source sejam gratuitos, deve-se investir uma quantia considerável na contratação de especialistas para a customização da ferramenta, sejam eles internos ou terceirizados, por meio de uma agência.

Além disso, muitas dessas soluções são oferecidas gratuitamente somente em seu pacote básico, sendo preciso adquirir módulos adicionais e plugins específicos para atender às demandas da sua loja virtual.

Ainda, é importante lembrar-se de que o trabalho não acaba assim que a nova loja virtual vai ao ar. Caso a opção escolhida não conte com suporte técnico integrado, é preciso ter uma equipe interna dedicada exclusivamente para a resolução de problemas e para a manutenção do sistema.

Por fim, pode ser que a plataforma adotada não possibilite a integração com outras soluções utilizadas em seu e-commerce, como softwares de ERP e CRM. Nesses casos, é preciso pensar nos custos de possíveis adequações das ferramentas e até trocas de serviços.

Por isso, é muito importante ter uma visão sistêmica e levar em consideração as despesas envolvidas diretamente e indiretamente na adoção do novo sistema para loja virtual.

2. Integrações

Como já foi abordado brevemente, a análise das integrações disponíveis na plataforma escolhida é fundamental para garantir o bom funcionamento do e-commerce e evitar problemas futuros.

Uma boa solução oferece diversas oportunidades de integração entre as principais ferramentas do mercado, como aquelas de gestão, relacionamento com o cliente, e-mail marketing, pagamento e muito mais.

Para isso, o sistema pode contar com a ajuda de empresas integradoras ou então disponibilizar sua própria API pública, facilitando o processo.

Dessa forma, é importante verificar antecipadamente quais são as parcerias estabelecidas entre a plataforma de e-commerce e as principais soluções do mercado, eliminando a necessidade de ter que fazer esse processo por conta própria.

Entre as integrações que mais merecem destaque estão:

Certificados de segurança

Garantir a integridade das transações de sua loja virtual é uma ação fundamental para conseguir a confiança do consumidor e evitar problemas de fraude e vazamentos de informações bancárias e relevantes.

Por isso, a integração com esse tipo de serviço ajuda na reputação do seu e-commerce e a evitar ações fraudulentas.

Chat

Ter uma ferramenta de suporte e contato com o cliente é fundamental para tirar dúvidas que podem estar atrapalhando o processo de decisão pela compra e até mesmo para evitar problemas de insatisfação. Em alguns casos, um bom atendimento pode até mesmo evitar a ocorrência de pedidos de devolução.

Nesse sentido, a integração dessa solução com o sistema da loja virtual não só é necessária como pode ter um grande impacto nas vendas.

ERP

Do inglês Enterprise Resource Planning, o ERP é um dos principais sistemas de gestão de um e-commerce, automatizando e integrando processos de vendas, estoque e muito mais. Escolher uma plataforma que tem integração com seu sistema permite a automatização de processos e evita o retrabalho.

Ao adotar um sistema incompatível com seu software de ERP, será preciso fazer uma série de ações manualmente, como o cadastro de pedidos e a atualização do estoque.

Além de gastar tempo da sua equipe, esse cenário abre espaço para erros humanos e para situações desagradáveis, como a venda de um produto que já foi adquirido por outro cliente.

Frete

O Web Service dos Correios e outras soluções de gestão de fretes de transportadoras são fundamentais para a organização da logística da loja virtual, afetando até mesmo as taxas de conversão — os consumidores querem saber o prazo e preço de entrega antes de decidir comprar um produto, além de poderem rastrear suas encomendas.

Dessa forma, é de suma importância se certificar de que a plataforma é integrada com esses serviços.

Reviews

O boca a boca tem um forte impacto no processo de decisão do consumidor. Dessa forma, incentivar um espaço para a indicação dos seus produtos a partir de um esquema de comentários e avaliações tem o potencial de aumentar suas conversões — caso os consumidores estejam satisfeitos com suas mercadorias, é claro.

Por isso, a integração com um sistema de reviews pode trazer uma série de vantagens para sua loja virtual.

Pagamento

Oferecer diferentes meios de pagamento é um fator fundamental para garantir mais vendas no e-commerce. Isso porque ao encontrar barreiras na hora de completar a transação, o consumidor pode facilmente desistir da compra e buscar na concorrência quem aceite o seu método preferencial.

Segundo uma pesquisa realizada pelo SPC Brasil em conjunto com a CNDL, o parcelamento por cartão de crédito é um dos meios mais utilizados por 65% dos respondentes. Já 53% afirmaram usar a opção de boleto bancário com frequência.

Ainda, há que prefira completar a transação por outros métodos, como por meio de sistemas como o PagSeguro e o PayPal, transferência bancária e até mesmo a utilização de dois cartões de crédito.

Assim, integrar-se com os principais intermediadores de pagamento é essencial.

Marketplace

O setor de marketplace movimentou cerca de R$8,8 bilhões em 2017. Assim, esse tem se tornado um dos principais canais de vendas do e-commerce ao oferecer a possibilidade de vender para um público muito maior.

Dessa forma, plataformas integradas aos maiores nomes do mercado, como B2W (Submarino, Shoptime e Americanas), Via Varejo (Extra, Casas Bahia, Ponto Frio), Mercado Livre, Amazon, etc., facilitam o processo de disponibilização de produtos nesses verdadeiros shoppings virtuais, expandindo a abrangência da sua marca.

Por tudo isso, avaliar quais são as integrações disponibilizadas pela opção de sistema de loja virtual escolhido é uma importante etapa para garantir que o seu e-commerce terá acesso às melhores soluções durante sua operação.

dados-marketplace-brasil-2017-escolher-melhor-plataforma-de-ecommerce

3. Segurança

A segurança no e-commerce é um aspecto crucial para o bom funcionamento de uma loja virtual, evitando vazamento de dados, instabilidades causadas por ataques de hackers, além de cumprir um importante papel na reputação da sua marca.

Por mais que o comércio eletrônico esteja em amplo crescimento, ainda existem muitas pessoas que têm medo de fazer transações onlines. Assim, mesmo pequenos detalhes podem despertar a sua desconfiança e fazer com que desistam da compra.

Além disso, existem uma série de indivíduos mal intencionados e especializados em golpes pela internet, buscando servidores vulneráveis para aplicarem os seus ataques.

Mesmo que não haja o roubo de informações bancárias, uma situação assim pode danificar profundamente a visão dos consumidores em relação a uma empresa, além de causar grandes transtornos.

Um caso emblemático nesse sentido é o que ocorreu com a Netshoes, com o vazamento de dados de mais de 2 milhões de clientes da loja. Embora a marca tenha agido rapidamente e tomado iniciativas para minimizar o efeito da situação, além de garantir que nenhuma informação de pagamento foi ilegalmente divulgada, o episódio trouxe uma série de transtornos para a gigante dos calçados.

Por tudo isso, a segurança deve ser uma prioridade na escolha de uma plataforma de e-commerce — é nesse sentido que as alternativas open source saem atrás.

Como já foi dito, seus códigos são abertos e disponibilizados publicamente para qualquer pessoa. Esse fator pode facilitar a ação de hackers, uma vez que eles têm acesso completo à base desse sistema, podendo encontrar falhas de segurança e brechas para invasão em sua essência, mesmo que a codificação tenha sido alterada pela loja virtual.

Outras alternativas, como as plataformas em SaaS, no entanto, não têm esse problema. Seu código-fonte é disponibilizado somente para seus associados, havendo monitoramento constante para a identificação de possíveis problemas de segurança.

Além desses fatores, é importante verificar a integração entre a opção escolhida e os principais certificados e selos de segurança para e-commerce. Os mais importantes são:

Certificado SSL

Sigla para Secure Socket Layer, o SSL é o protocolo mundial para segurança online. Ele realiza a criptografia das informações de um site, protegendo sua integridade de ponta a ponta.

Dessa forma, mesmo que esses dados sejam roubados, eles dificilmente poderão ser interpretados por terceiros, garantindo o sigilo do seu e-commerce e dos seus consumidores.

Site Blindado

Especializada em segurança no mercado digital, a Site Blindado realiza análises automáticas para verificar vulnerabilidades, ações não autorizadas de alteração no código-fonte do site e tentativas de roubo de dados.

WAF

Do inglês Web Application Firewall, trata-se de um serviço de monitoramento constante e proteção contra hackers e outras iniciativas maliciosas.

Dessa forma, além de verificar quais são as proteções inerentes ao desenvolvido da plataforma, é preciso se certificar também que ela oferece suporte aos principais sistemas de segurança no e-commerce.

4. Capacidade do servidor

Se em épocas como o Natal e o Dia dos Namorados há o aumento do tráfego de pessoas em shoppings e outros estabelecimentos físicos, o mesmo acontece no comércio eletrônico.

Agora imagine a cena: em plena Black Friday, após todos os preparativos para descontos especiais e ações promocionais, quando há uma grande expectativa do aumento de vendas, e o site da sua loja virtual sai do ar.

Uma situação assim tem o potencial de gerar um prejuízo de milhares reais, mesmo que seja rapidamente solucionado. Além disso, a credibilidade da sua marca pode sair afetada e os seus consumidores optarem por passar a comprar na concorrência.

Por conta de tudo isso, a capacidade do servidor contratado é um importante fator para ser levado em consideração na hora de lançar um e-commerce.

Enquanto em algumas plataformas, como as SaaS, esse serviço já é fornecido em conjunto com a assinatura, em outras, como as open source, é responsabilidade da própria empresa contratar o servidor e garantir a estabilidade, principalmente em datas de aumento de tráfego.

Dessa forma, optar por uma solução que acompanhe esse adicional pode ser bastante vantajoso. Isso porque as organizações que comercializam esse tipo de serviço já contam com know-how nesse sentido, oferecendo possibilidades de aumento de banda, e oferecendo opções campeãs de mercado para hospedagem do ambiente virtual.

5. Suporte

O suporte é um dos fatores mais sensíveis na operacionalização de um e-commerce. Diferentemente das lojas físicas, que têm um horário fixo de funcionamento, as lojas virtuais funcionam 24 h por dia e 7 dias por semana — sendo essa, inclusive, uma de suas principais vantagens do ponto de vista dos consumidores.

Assim, qualquer falha nessa operação pode trazer grandes prejuízos para a loja virtual.

Dessa forma, é fundamental contar com uma equipe responsável por resolver rapidamente esses problemas, evitando o agravamento das consequências causadas por alguma instabilidade ou erro.

Nesse sentido, contratar uma plataforma que oferece suporte integrado, fornece a segurança de que você terá auxílio técnico nos momentos que mais precisa. E quem melhor para resolver esse tipo de situação do que a própria empresa que desenvolveu o sistema, que tem profissionais internos especializados e dedicados exclusivamente para isso e que tem anos de experiência no mercado?

O fato é que é praticamente impossível ter uma operação de e-commerce sem o surgimento de algum problema. Assim, além de reduzir custos com o investimento de pessoal interno, esse recurso também evita que os prejuízos sejam ainda piores.

6. Mobile-friendly

Com a crescente popularidade dos dispositivos móveis, tornou-se cada vez mais necessário se adaptar a essa nova realidade.

Segundo um estudo da Criteo, quase metade das vendas de varejistas brasileiros que investem no m-commerce acontecem via mobile. E mesmo nas que são realizadas por computador, 22% foram antecedidas por algum processo de pesquisa móvel.

Assim, ser mobile-friendly, ou seja, adequar sua loja virtual a celulares e tablets, deixou de ser um diferencial e passou a ser uma necessidade. E, para oferecer isso, é fundamental ter uma plataforma adaptada ao ambiente mobile.

Dentro disso, existem três possibilidades principais de apresentação da sua loja virtual, sendo elas:

Site responsivo

É aquele cujos conteúdos principais se adaptam às diferentes resoluções de tela, dependendo do dispositivo acessado:

  • 1920 px (telas modernas de computador);
  • 1024 px (monitores antigos e tablets na posição horizontal);
  • 768 px (tablets na posição vertical);
  • 480 px e 320 px (smartphones de diferentes tipos).

Site mobile

Ele é desenvolvido exclusivamente para mobile, priorizando a navegação por esse tipo de aparelho e, inclusive, muitas vezes não podendo ser acessados a partir de desktop. Tradicionalmente contam com um “m”, de mobile, na frente do endereço eletrônico.

Quem adota essa opção desenvolve normalmente dois tipos de sites: um para computadores e outro móvel. O usuário é direcionado para cada um deles dependendo do dispositivo utilizado.

Aplicativo

Há quem ainda confunda os sites mobile com os aplicativos, porém, ambos são completamente diferentes. Enquanto o primeiro pode ser acessado a partir do navegador do celular, o segundo exige o download da aplicação na loja especial do smartphone, como Apple Store e Google Play.

A vantagem de oferecer um app próprio é a possibilidade de personalizar a experiência do usuário completamente àquele ambiente, oferecendo recursos especiais adicionais. A grande desvantagem é que o consumidor precisa baixar a ferramenta para usá-la, tornando-se um empecilho para algumas pessoas.

Seja qual for a opção escolhida, é importante se certificar que a plataforma de e-commerce a ser usada é capaz de se integrar a essa solução, evitando frustrações futuras e problemas de usabilidade.

7. Otimização SEO

Estar presente em posições de destaque nas páginas de resultados dos mecanismos de busca (SERPs) é uma ação fundamental para direcionar tráfego para seu site e diversificar os meios de aquisição de novos clientes.

Por isso, o SEO (Search Engine Optimization), ou seja, otimização de conteúdo para sites de pesquisa como o Google, é um passo essencial para os resultados do e-commerce — e a plataforma adotada tem um importante papel nisso.

É importante se certificar que a opção escolhida apresenta suporte para esse tipo de recurso, garantindo que os seus produtos serão encontrados pelo público certo na internet. Entre as funcionalidades fundamentais estão:

URLs canônicas ao longo do site

Trata-se de uma técnica para evitar a penalização de conteúdo duplicado em seu site. É o que acontece quando diferentes endereços direcionam para a mesma página, como:

  • www.sualoja.com
  • sualoja.com
  • www.sualoja.com/index.html

É fundamental para promover diferenciação entre conteúdos semelhantes, como quando uma mesma categoria de produtos é ordenada por preços, tamanhos ou itens mais vendidos.

Controle de sitemap XML

Trata-se de um verdadeiro mapa do seu site em que você indica para o Google e outros motores de busca quais são as páginas que você deseja indexar. Assim, por meio do envio de um arquivo XML com as URLs da sua loja virtual, você facilita a comunicação com os buscadores e agiliza o processo, indicando quais conteúdos devem ser priorizados no ranqueamento.

Diferenciação de páginas de produto

Nos casos em que um atributo de um produto específico é relevante para o comportamento de busca dos consumidores, como um tênis de uma cor específica, é interessante haver páginas distintas para variações de um mesmo item.

Todos esses recursos podem trazer uma série de impactos positivos para o ranqueamento orgânico da sua loja, sendo, portanto, uma funcionalidade desejável na plataforma escolhida.

8. Escalabilidade

A escolha da melhor plataforma de e-commerce não deve ser uma decisão baseada apenas no curto prazo.

A implantação de um novo sistema de loja virtual é um processo oneroso, demorado e que traz alguns obstáculos para ser concluído com sucesso. Dessa forma, a última coisa que você quer é passar por tudo isso e ter que repetir todas essas etapas em um prazo de um ou dois anos.

Por isso, é essencial que, ao avaliar as alternativas de sistema de e-commerce, leve-se em consideração se elas permitem o escalonamento do seu negócio nos próximos anos. Caso contrário, esse pode ser um investimento que não trará o retorno esperado em longo prazo.

Soluções como as plataformas em SaaS normalmente oferecem planos distintos para diferentes fases do seu empreendimento, facilitando a transição conforme o seu e-commerce crescer.

Perguntas que devem ser feitas antes da decisão

Agora que você já sabe quais são os aspectos mais importantes a serem avaliados na hora de escolher a melhor plataforma de e-commerce, é preciso olhar para dentro do seu próprio empreendimento e avaliar como essa solução se encaixa na realidade da sua loja virtual.

Para isso, é fundamental responder às seguintes perguntas:

Qual é o orçamento disponível?

De nada adianta escolher a melhor opção se sua empresa não tem o orçamento disponível para adotá-la.

Dentro disso, é muito importante não considerar somente o valor da mensalidade (no caso dos sistemas SaaS) ou do desenvolvimento (nas plataformas proprietárias). Isso porque a implantação ou migração de uma solução de e-commerce é um processo complexo e que exige uma estrutura preparada para isso.

Nesse sentido, é muito importante colocar no papel todos os custos, previstos e aqueles que podem ser gerados caso algo dê errado. Também é essencial ler com atenção todos os termos do contrato, principalmente aqueles que abordam as taxas incidentes em cada venda.

Mas lembre-se: o sistema da sua loja virtual não é o espaço para fazer economias exageradas. É como se ele fosse a base de um prédio: sem uma estrutura forte, tudo pode vir a ruir.

Por isso, avalie com cautela a capacidade da sua empresa de arcar com esse investimento (e não despesa), levando sempre em consideração o impacto possível que ele terá na experiência do seu cliente no faturamento mensal.

Quais são as funcionalidades mais importantes para meu negócio?

A decisão pela adoção de uma ferramenta para viabilizar seu e-commerce deve passar diretamente pelas funcionalidades que são mais importantes para seu empreendimento.

Se você pretende comercializar um serviço de clube de assinatura, por exemplo, é muito importante que o sistema ofereça o recurso de recompra. Caso as vendas online sejam parte de uma franquia, a integração entre os estoques de múltiplos centros de distribuição é fundamental.

Por isso, essa avaliação deve ser feita mesmo antes de separar as melhores opções, uma vez que ela ajudará você a fazer a escolha mais adequada às suas necessidades. Nessa etapa, é muito importante entrar em contato com a empresa que comercializa a solução (se for esse o caso) e tirar suas dúvidas.

Quem será o responsável pelo acompanhamento e processo de implantação?

Um erro comum de muitos lojistas é não pensar previamente em quem serão os responsáveis internos pelo processo de implantação ou migração de e-commerce. Alguns gestores, inclusive, acham que podem aproveitar a equipe da loja física para isso, encaixando novas atribuições a sua rotina, o que é um grande equívoco.

Ter pessoas dedicadas a esse processo é fundamental para o sucesso do seu empreendimento e é um fator fundamental para todas as operações do comércio eletrônico, independentemente da escolha da plataforma.

A grande diferença é que, dependendo da solução escolhida, o investimento em pessoal terá que ser maior ou menor.

Ao desenvolver o seu sistema próprio ou modificar um código open source, será preciso contratar ou terceirizar especialistas em programação responsáveis pelo projeto, além de todos os outros colabores necessários para o funcionamento do e-commerce, como atendimento, marketing, etc.

Já nas plataformas em SaaS, esses gastos são diminuídos, uma vez que a solução comercializada já está pronta para customização.

Além disso, essas empresas normalmente contam com agências parceiras que podem ser contratadas para fazer as personalizações específicas de front-end, eliminado a necessidade de se gastar tempo procurando uma equipe para fazer esse serviço.

O que meu e-commerce vai precisar nos próximos anos?

Como já foi dito, a escolha de uma plataforma de e-commerce deve ser uma decisão pensada não só no hoje, mas na evolução do seu empreendimento em longo prazo.

Por isso, ter definidas quais são as metas de crescimento da sua loja virtual, tentando ao máximo antecipar necessidades, é uma excelente maneira de garantir que a adoção desse sistema será duradoura.

Assim, é essencial que esse processo seja feito com grande cautela, muita pesquisa e avaliação sistêmicas das mais diferentes variáveis — não somente internas mas também aquelas relacionadas ao seu mercado de atuação.

É muito importante não hesitar na hora de entrar em contato com os responsáveis pela solução que se busca contratar, tirando dúvidas e garantindo a tranquilidade de que se está fazendo a escolha certa.

Plataforma de e-commerce open source x SaaS

Agora você já sabe quais são os tipos de plataforma de e-commerce, quais os fatores mais importantes que devem ser levados em consideração em cada solução analisada e as perguntas que devem ser respondidas antes de tomar essa decisão.

Porém, é possível que, ainda assim, tenham restado algumas dúvidas sobre as particularidades de cada sistema. Por isso, separamos quais são as principais diferenças em duas das soluções mais adotadas: as plataformas open source e SaaS. Confira!

Open Source

SaaS

Desenvolvimento

Não tem Não tem

Implantação

  • Customização da plataforma.
  • Desenvolvimento do layout (front-end).
  • Equipe interna de manutenção.
  • Equipe interna de suporte
  • Equipe responsável por possívezs atualizações.
  • Contratação de módulos e recursos adicionais.
  • Desenvolvimento do layout (front-end).
  • Mensalidade e taxa sobre vendas.

Gastos

  • Customização da plataforma.
  • Desenvolvimento do layout (front-end).
  • Equipe interna de manutenção.
  • Equipe interna de suporte
  • Equipe responsável por possíveis atualizações.
  • Contratação de módulos e recursos adicionais.
  • (front-end).
  • Mensalidade e taxa sobre vendas.

Integração

  • Normalmente precisa ser feita manualmente (equipe interna ou terceirizada).
  • Muitas aplicações precisam ser pagas para serem usadas.
  • Pode não ter integração com importantes sistemas internos, como ERP, exigindo retrabalho manual, passível de erros.
  • Principais integrações já disponíveis.

Venda em marketplaces

  • Normalmente precisa ser feita a integração ou então cadastro manual repetidamente na loja virtual e no marketplace escolhido, gerando retrabalho.
  • Integração facilitada e facilitada com os principais marketplaces do mercado

Segurança

  • Risco de invasão devido ao código ser aberto e disponibilizado amplamente.
  • Possível necessidade de personalização para integração com certificados e selo de segurança de segurança.
  • Integração com os principais selos e certificados de segurança, além de sistemas de monitoramento e antifraude.

SEO

  • Dependendo da plataforma, precisa de personalização para atender aos requisitos principais exigidos pelos mecanismos de buscas.
  • Principais recursos para otimização SEO nativos na plataforma, como URLs canônicas e sitemap.

Escalabilidade

  • Plataforma mais simples, exigindo na maior parte das vezes novos desenvolvimentos ou migração caso o seu empreendimento cresça.
  • Diferentes planos disponíveis, possibilitando operação robusta e upgrade facilitado, caso seja necessário.

Escolha de plataforma na migração de e-commerce

Diversos motivos podem levar à necessidade de migração de plataforma de e-commerce. Seja porque a solução inicial era limitada e simples demais ou seja porque o empreendimento cresceu além da capacidade que a ferramenta oferece. De qualquer maneira, esse não é um processo fácil, embora muitas vezes necessário.

Se não for bem-feita, a migração pode trazer graves consequências para a loja virtual, desde a perda de ranqueamento nas páginas de resultados dos motores de busca até queda profunda nas vendas.

Dito isso, é importante destacar que esse sempre será um processo complexo e que é normal haver algum impacto negativo no período inicial após a migração.

Não tem jeito, a única forma de se evitar isso é escolher desde o princípio uma plataforma escalável e definitiva, que atenderá as necessidades do seu e-commerce nos anos seguintes.

Mas, uma vez não sendo esse o caso, adiar essa decisão não só vai limitar o crescimento do seu empreendimento como pode, ainda, derrubá-lo.

Imagine a situação de uma loja virtual que cresceu demais mas continua usando o mesmo código gratuito e servidor limitado de anos atrás. Em datas como a Black Friday, por exemplo, em que é comum um aumento significativo de tráfego e pedidos, o site pode sair do ar.

E nos casos em que o sistema atual não oferece integração com o ERP? Imagine cadastrar manualmente centenas de pedidos e acabar vendendo um item indisponível no estoque. São esses detalhes que danificam a imagem da sua marca e faz com que se perda clientes em longo prazo.

Para evitar tudo isso, é importante fazer as seguintes perguntas capazes de auxiliar o seu processo decisório:

Quais são os objetivos da migração?

Uma ação tão complexa e em que tantas variáveis podem ser afetadas deve ser feita a partir de motivações claras e com objetivos finais bem definidos.

Não é suficiente estabelecer apenas que se deseja aumentar o faturamento ou o número de pedidos. É preciso pensar de que maneiras a nova plataforma ajudará você a alcançar esse resultado.

Quais são as lacunas da sua plataforma atual?

Identificar quais são os recursos ausentes em seu sistema atual é fundamental para a busca dessas funcionalidades em uma nova solução.

Se o esquema de clube de assinaturas é normalmente muito bem-aceito pelo seu público atual mas a sua plataforma não oferece a recompra, essa é um aspecto básico a ser procurado na nova ferramenta.

Fazer essa análise antes da migração é importante para não deixar nenhum item para trás e se frustrar posteriormente com a escolha feita — quando, normalmente, já é tarde demais.

Quais funcionalidades seu e-commerce não pode abrir mão?

Além das lacunas presentes em sua plataforma atual, é importante entender quais são os recursos essenciais que devem estar presentes no novo serviço.

Nesse sentido, é preciso ter equilíbrio: de nada adianta ter uma série de funcionalidades novas se as primordiais para o funcionamento da sua operação atual estão faltando.

Essas reflexões ajudam você a estabelecer qual é o mínimo esperado do novo sistema para garantir que o processo de migração de fato valerá a pena.

Porém, isso não é o mesmo do que fechar a sua cabeça para novas opções. Muitos lojistas acostumam-se com certos processos e não estão dispostos a trocá-los por ações diferentes mas que podem trazer resultados maiores.

No final, é preciso dosar todas essas variantes e tomar a decisão baseado no que é melhor para seu e-commerce — não somente hoje, mas também nos anos a seguir.

5 cuidados a serem tomados para uma migração de sucesso

Assim, alguns cuidados são necessários para que esse processo gere mais benefícios do que prejuízos. Os principais são:

1. Fazer um bom planejamento

Um bom planejamento é o segredo para o sucesso de maior parte dos projetos e com a migração de plataforma não seria diferente.

Essa etapa deve incluir desde o processo de escolha da solução até a avaliação de resultados após sua implantação.

Para isso, é fundamental conter os seguintes aspectos:

  • objetivo final;
  • metas SMART para cada etapa (específicas, mensuráveis, atingíveis, relevantes e temporizáveis);
  • responsáveis por cada atividade;
  • orçamento detalhado;
  • planejamento da fase de testes e melhorias;
  • previsão de conclusão e cronograma para os diferentes passos.

2. Escolher uma plataforma que ofereça suporte à migração

Aqui vale o ditado: “uma só andorinha não faz verão”.

É muito difícil concluir uma migração de qualidade sem o suporte necessário em todas as etapas. Além de equipes específicas de desenvolvimento, design e implantação, contar com o auxílio de especialistas da própria plataforma pode ser a diferença entre uma migração saudável, rápida e com excelentes resultados e uma grande dor de cabeça.

3. Levar em conta o SEO

A otimização para mecanismos de buscas se tornou um dos aspectos fundamentais para a maior parte dos e-commerces. No entanto, essa é infelizmente uma das variáveis mais prejudicadas pelo processo de migração.

Embora seja natural e esperado haver prejuízos durante essa troca, é fundamental tomar iniciativas preventivas que busquem minimizar ao máximo essas ocorrências.

Para isso, é muito importante escolher um sistema que forneça recursos de otimização para SEO para tornar o processo menos danoso.

4. Treinar sua equipe

É comum haver resistências às mudanças, mas é preciso garantir que toda a equipe do e-commerce estará alinhada com a nova missão.

Por isso, é muito importante haver transparência durante todas as etapas, para que os seus colaboradores se sintam parte dessa transformação — e empolgados em fazê-la dar certo.

Além disso, com a troca de sistemas, é essencial ocorrer a capacitação sobre as funcionalidades da nova plataforma. Nesse sentido, as soluções que oferecem de maneira integrada esses treinamentos saem na frente.

Os benefícios da plataforma Tray Corp

Ao longo deste guia, você conferiu os principais aspectos que devem fazer parte do processo de escolha da melhor plataforma de e-commerce para sua loja virtual. E não poderíamos falar sobre uma solução completa sem citar o sistema oferecido pela Tray Corp.

Trata-se de uma plataforma corporativa em SaaS (Software as a Service), que fornece uma série de recursos e possibilidades de customização que a tornam a opção definitiva para os grandes e-commerces.

Contando com suporte técnico especializado durante todo o processo de implantação ou migração, ela garante que será possível conseguir uma nova loja virtual de maneira mais simples, eficaz e prática.

As suas diferentes integrações com os principais sistemas do mercado tornam a gestão do seu e-commerce mais automatiza e eficaz.

Entre os elementos principais que a tornam a opção favorita de mais de 700 clientes, podemos destacar:

Integração com os principais marketplaces

Possibilita a venda nos maiores shoppings virtuais do Brasil, levando os produtos a um público muito maior que seria possível com uma operação individual. São eles Via Varejo (Casas Bahia e Ponto Frio), B2W (Submarino, Americanas e Shoptime), Mercado Livre e muito mais.

venda-em-marketplaces-tray-corp-fbits

API pública

Por meio de uma API própria disponibilizada publicamente, possibilita a integração com diferentes sistemas de gestão, relacionamento com o cliente, frete, pagamento, segurança, etc., facilitando esse processo.

Clube de assinaturas

Com esse recurso, é possível usufruir os benefícios da receita recorrente por meio de um sistema de compras, enviando produtos personalizados para seus clientes todos os meses.

Quem faz muito bem isso é o Clube do Malte, um e-commerce especializado em cervejas artesanais e importadas. Por meio do beer pack, é possível receber em casa uma seleção personalizada de bebidas, além de brindes, como copos customizados.

clube-do-malte-beer-pack-clube-de-assinaturas-recursos-tray-corp-fbits

Recuperação de carrinho abandonado

Essa função, que normalmente é contratada adicionalmente, é nativa à plataforma da Tray Corp, possibilitando o disparo de comunicações direcionadas para recuperar clientes e diminuir as taxas de abandono de carrinho.

Suporte omnichannel

Os consumidores têm buscado cada vez mais reproduzir as experiências que têm no mundo real no online. Para isso, adotar a tendência do omnichannel e integrar as lojas física e virtual é uma necessidade crescente.

Na solução desenvolvida na tecnologia FBITS, é possível alcançar esse objetivo a partir de uma série de funcionalidades, como o recurso de integração de estoque de múltiplos centros de distribuição.

Um exemplo de adoção de estratégia omnichannel é o que é feito pela Eletrorastro. Ela oferece uma experiência integrada em que o consumidor pode escolher onde deseja fazer a compra: na loja física, no site ou pelo celular.

Além disso, ele também pode escolher como recebe o produto comprado no e-commerce: em casa ou por meio da retirada em loja.

Lista de compras

Por meio das listas de compras, você pode oferecer pacotes de produtos diferentes para seus clientes, como um look completo em uma loja de moda, por exemplo, contribuindo para o aumento do ticket médio.

Um exemplo disso é o e-commerce da rede de supermercados Casa Fiesta. No site, é possível encontrar receitas de pratos diferentes com a lista completa de produtos para conseguir reproduzi-la em casa. Assim, além de criar uma experiência diferenciada para o cliente, estimula-o a levar mais itens.

casa-fiesta-lista-de-compras-recursos-traycorp-fbits

Carrinho inteligente

Essa função tem o objetivo de reduzir as etapas na hora da compra, agilizando a experiência e diminuindo as taxas de abandono de carrinho.

Por meio disso, é possível adquirir um produto sem a necessidade de um cadastro longo e complexo. É o caso da loja DLK Modas, que oferece a opção de continuar a transação por meio de login nas redes sociais.

dlk-modas-carrinho-inteligente-socia-login-recursos-traycopr-fbits

Esses são apenas alguns dos recursos que tornam a Tray Corp uma das melhores soluções do mercado.

Se você quer saber mais informações de como escolher a melhor plataforma de e-commerce para seu negócio, entre em contato com um dos nossos consultores.