Início Logística Trabalhando estoque de e-commerce para multicentros de distribuição

Trabalhando estoque de e-commerce para multicentros de distribuição

estoque-de-ecommerce-para-multicentros-de-distribuicao

O controle de estoque é um problema para muitas empresas, em especial para aquelas que possuem várias unidades. Uma excelente solução para esses casos é o uso de mais de um centro de distribuição.

Trata-se de uma descentralização do armazenamento de produtos, tomando como base a localização geográfica. É um modelo que visa dividir a logística de entrega em vários pontos, sendo fundamental para empresas que atuam em boa parte do território nacional.

Por outro lado, como toda solução, é preciso que haja um estudo antes da sua implementação. Abaixo, reunimos questões que precisam ser consideradas por quem visa trabalhar com multicentros de distribuição (multi CD). Acompanhe a leitura!

Quem deve utilizar a estratégia multi CD?

A necessidade de contar com mais de um centro de distribuição parte da existência de uma grande demanda em diversas regiões. Por isso, há negócios de diferentes nichos que se encaixam nessa realidade.

Para ilustrar melhor, vamos utilizar dois exemplos: um e-commerce de farmácia e um de produtos eletrônicos. No primeiro caso, é preciso considerar que o armazenamento de medicamentos deve seguir diversas regras e estar de acordo com a legislação, assim como o transporte.

Diante disso, a possibilidade de contar com centros de distribuição descentralizados apresenta-se como uma excelente opção. Somado a isso, há a questão de que medicamentos muitas vezes precisam ser entregues em um prazo menor devido a necessidade de consumo, o que pode ser resolvido com centros de distribuição regionais.

Em relação aos produtos eletrônicos, algo que incomoda bastante o consumidor é o custo do frete, inclusive inviabilizando a compra. Para resolver esse ponto, a estratégia de multi CD é utilizada com frequência, afinal também ajuda a fazer uma entrega mais rápida dos produtos bem como a possível substituição em caso de equipamentos defeituosos ou com qualquer outro tipo de problema.

O que considerar ao trabalhar com multicentros?

Há diversos pontos que precisam ser bem avaliados para identificar se ter mais de um centro de distribuição é viável para a sua empresa. Confira!

Custos de manutenção

Contar com multicentros de distribuição traz custos de manutenção, que precisam ser muito bem avaliados para ver se investir nesse tipo de solução vale a pena. Alugar um armazém ou galpão ou então terceirizar esse processo são duas opções que podem suprir a demanda da regionalização da entrega.

Se uma das opções apresentar um custo inviável, o outro pode ser a melhor escolha. Há casos ainda que a empresa tem condições de arcar com o custo de ambos e vai se decidir pela qualidade da experiência proporcionada.

É preciso somar aos custos de armazenamento os valores de transporte para alimentação dos estoques locais. Quando a soma das despesas estiver fora da realidade financeira da empresa, fica claro que não é possível investir nessa opção.

Quando está dentro do planejamento financeiro e há a confiança de que isso pode proporcionar uma melhor experiência ao consumidor e, consequentemente o aumento nas vendas, essa opção se mostra bastante válida e os custos acabam se tornando um investimento devido ao bom retorno gerado por essa ação.

Transportadoras

Como os produtos serão enviados para diversos locais, será preciso trabalhar com mais de uma transportadora. Isso se torna um desafio porque, independentemente do local, a qualidade de entrega dos produtos a partir de cada centro de distribuição precisa ser a mesma.

O planejamento é essencial para escolher essas empresas prestadoras de serviço e o contrato serve como instrumento jurídico necessário para garantir o cumprimento das demandas acertadas.

Lembrando que falhas de transporte impactam toda a experiência do cliente, gerando dificuldades na entrega dos produtos, descumprimento de prazos e ausência de itens, elementos que prejudicam a reputação da sua empresa.

Como funciona a logística reversa no centro de distribuição?

As trocas e devoluções são normais no dia a dia de um e-commerce e acabam impactando também nos centros de distribuição, afinal, é de lá que saem as mercadorias. Cabe ao lojista viabilizar a implementação da logística reversa e basear-se na localização dos seus centros de distribuição para criar um processo que seja funcional.

A logística reversa baseia-se, justamente, no pós-venda. Ela acontece no momento em que o consumo é efetivado e alguma situação específica surge disso, como a descoberta de defeitos ou insatisfação com o item comprado.

Um processo organizado permite também o melhor cumprimento dos mecanismos legais, especialmente os que se referem ao Direito do Consumidor.

Portanto, o primeiro passo para implementar a logística reversa em centros de distribuição é criar um plano de ação, no qual precisam constar todos os detalhes relacionados ao funcionamento desse processo.

Com isso, evita-se, por exemplo, a estagnação de produtos devolvidos e falta de ação diante desse acúmulo. Alguns passos que devem constar nesse planejamento são:

  • ter uma política de trocas e devolução bem definida;
  • tornar a logística reversa parte da cultura da empresa;
  • capacitar os colaboradores sobre o funcionamento do processo;
  • mapear os processos de coleta e reentrega;
  • contar com uso da tecnologia para gerenciar os fretes e o estoque, principalmente na entrada e saída de produtos;
  • ser ágil na resolução de problemas dos clientes, em especial no que diz respeito a produtos que precisam ser devolvidos.

Por que a plataforma de e-commerce é importante para a gestão de estoque?

A existência de múltiplos centros de distribuição não elimina a necessidade de uma gestão geral do estoque, ou seja, o controle feito pela matriz. Pelo contrário, essa necessidade aumenta com a presença de mais pontos de armazenamento.

Para tornar esse processo mais efetivo, é fundamental contar com uma plataforma de e-commerce que permita a facilitação desse processo. Algumas características que essa plataforma deve ter são:

  • automatizar a inserção de informações de pedido, estoque e entrega;
  • ter integrações prontas para serem utilizadas;
  • ser customizável, permitindo assim a criação de novas integrações;
  • contar com atualização em tempo real das entradas e saídas dos produtos.

Ter uma plataforma que reúna todos esses requisitos possibilita colocar em prática mais facilmente todas as dicas citadas e assim ter mais eficiência na hora de trabalhar o estoque de e-commerce para em mais de um centro de distribuição.

Para conhecer mais dicas sobre como conseguir excelentes resultados no mercado online, confira nosso artigo sobre como construir um e-commerce de sucesso!